'Pior cena da vida', diz irmã de turista morta por rojão preso ao corpo durante Réveillon em praia de SP



Elisângela Tinem, de 38 anos, morreu na virada do ano em Praia Grande, onde passava o Ano Novo com a família. Elisângela Tinem, d e38 anos, morreu após ser atingida por rojão na Praia Grande
Reprodução/Facebook
“Ela já caiu morta. Tudo isso na nossa frente. Foi a pior cena de toda a nossa vida”. O relato é da irmã de Elisangela Tinem, de 38 anos, que morreu após ser atingida por um rojão durante a virada do ano em Praia Grande, no litoral de São Paulo.
Um novo vídeo, obtido pelo produtor Luiz Linna, da TV Tribuna, emissora afiliada à Rede Globo, mostra o instante em que Elisângela é atingida. As imagens mostram o momento em que o artefato ‘desvia no ar’, fica preso à roupa da vítima e explode no peito dela. O acidente aconteceu em menos de 10 segundos, do momento da ignição à explosão do artefato (assista abaixo).
Ao g1, Tamiris Tinem, irmã de Elisângela, contou que estava ao lado dela quando a tragédia aconteceu na faixa de areia da praia localizada no bairro Nova Mirim. Ela relata que, assim começou a queima de fogos na noite do dia 31 de dezembro, todos viram uma luz muito forte vindo na direção da família.
“Infelizmente, acertou a minha irmã em cheio. Quando vimos as faíscas não percebemos que era realmente um rojão. Nossa reação foi ir em direção a ela para ajudar, mas quando demos o primeiro passo, o rojão explodiu. Minha irmã não teve nem tempo de pensar em se salvar. Ela já caiu morta, tudo isso na nossa frente. Foi a pior cena de toda a nossa vida”, relembra Tamiris.
Novo vídeo mostra rojão ‘desviando no ar’ e explodindo no peito de jovem que morreu
Além da Polícia Militar, o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) atendeu o caso. Os profissionais identificaram que Elisângela foi atingida pelo artefato na região do tórax, e o óbito foi constatado no local.
Tamiris disse que a irmã morava na capital paulista e que esta foi a primeira vez que toda a família foi junto para Praia Grande. A irmã da vítima ressaltou que era para ser um momento de diversão, que todos estavam felizes, mas o ano iniciou com a perda de Elisângela.
“Estamos sentindo uma dor enorme, que nada irá curar. Não consigo descrever o tamanho da nossa dor, de verdade. Em questão de segundos, a minha irmã se foi, sem que pudéssemos ajudar em nada”, disse.
Ela fala que a família está muito triste com tudo que aconteceu. Ela espera que o responsável pelo rojão seja identificado. “Só espero que o culpado disso coloque a mão na consciência e perceba que ele foi um assassino. Ele matou a minha irmã, e nem se quer teve a iniciativa de nos ajudar a prestar socorro, simplesmente sumiu. Esperamos que a Justiça seja feita e que ele pague pelo o que fez”.
Elisângela Tinem, de 38 anos, morreu logo após a explosão do artefato, na virada do ano em Praia Grande (SP)
Reprodução
Elisângela deixou dois filhos e era muito amada por todos. Segundo a irmã, os sobrinhos estão desolados. Ela disse que a família está tentando ser forte por eles.
“Super amorosa e bondosa, sempre pensando em ajudar a todos ao seu redor, tinha uma luz e um alto astral que alegrava qualquer ambiente. Estamos sentindo uma dor que nunca irá se curar. Só pedimos a Deus força, muita força”, finaliza.
Polícia investiga morte de turista vítima de rojão que explodiu no peito na vítima em Praia Grande
Arquivo pessoal
Investigação
Ao g1, a secretaria estadual de Segurança Pública (SSP), afirmou que o caso foi registrado como homicídio e lesão corporal culposa na Central de Polícia Judiciária (CPJ) de Praia Grande e é investigado pelo 1º Distrito Policial (DP) da cidade. “A autoridade policial trabalha para identificar o autor e esclarecer os fatos”, ressaltou, em nota.
De acordo com a Polícia Militar (PM), a turista foi atingida pelo rojão na altura do peito. A PM esclareceu algumas pessoas tentaram ajuda a remover o objeto, porém, o rojão ficou grudado ao corpo da vítima e explodiu.
A corporação afirmou também que a explosão lesionou parte do abdômen e parte do braço de Elisangela. Além disso, segundo a equipe que fez o primeiro atendimento após a explosão, o artefato atingiu vários órgãos internos, causando a morte da vítima no local, antes mesmo da chegada das equipes médicas.
A ocorrência foi registrada como homicídio e lesão corporal culposa na Central de Polícia Judiciária de Praia Grande (CPJ). O caso é investigado pelo 1º DP de Praia Grande, que trabalha para identificar o responsável por soltar o rojão e quem o vendeu. Conforme apurado pelo g1, o delegado pode, inclusive, pedir um mandado de prisão à Justiça contra o homem que acendeu o artefato, quando este for localizado.
Turista de 38 morreu em Praia Grande após ser atingida por fogos de artifício que ficou preso na sua roupa e explodiu próximo ao tórax
Reprodução/Boca no Trombone PG
Lei proíbe fogos
Em nota, a Prefeitura de Praia Grande ressaltou que é proibido o manuseio, a queima e a soltura de fogos de acordo com a Lei nº 1986 de 8 de abril de 2020 e suas alterações posteriores, como a Lei nº 2143 de 20 de dezembro de 2022.
Queima de fogos em Praia Grande
Amauri Pinilha/Prefeitura de Praia Grande
VÍDEOS: g1 em 1 minuto Santos


Fonte Original

Compartilhar
Mostrar mais
Botão Voltar ao topo
EnglishPortugueseSpanish
Fechar
Fechar