Mulher confundida com grávida consegue retirar tumor gigante de 5 kg: ‘Proporções de um feto de 9 meses’ | Mais Saúde

A mulher de 38 anos que foi diagnosticada com um tumor teratoma, que fez a barriga dela crescer ao ponto de ela ser constantemente confundida com gestante, conseguiu realizar a cirurgia de remoção, após meses sentindo fortes dores abdominais. Elza Mar Fidalgo de Jesus, moradora de São Vicente, no litoral de São Paulo, teve os primeiros sintomas em junho de 2021, e desde então buscava marcar o procedimento. O tumor retirado pesava mais de 5 kg, com proporções de um feto de 9 meses.

Elza foi operada na última semana e ficou alguns dias no hospital, até receber alta, na sexta-feira (29). Em entrevista ao g1 nesta segunda-feira (1º), ela disse que está muito aliviada, porque sentia dores fortíssimas todos os dias. “Eu cheguei a tomar morfina e continuar com dor”, lembra.

Sobre o pós-operatório, Elza explica que ainda sente algumas dores, mas reforça que o alívio de ter finalmente conseguido a cirurgia é mais forte. “Era agonizante. Era como uma dor de parto que não passava nunca“, relata.

À esquerda, barriga de Elza pouco antes de ela ser operada; à direita, barriga após a cirurgia de remoção do tumor — Foto: Arquivo Pessoal

Emocionada, a paciente contou ao g1 que o médico que a operou foi excepcional. “O tratamento foi bem humano, ele foi muito atencioso”, diz. Elza, porém, reitera que mantém a crítica com relação à Secretaria de Saúde de São Vicente, por conta da demora para marcar a cirurgia.

“Percebi que os médicos e os profissionais da saúde, de forma geral, são bons. Mas, o problema é que, se a Secretaria de Saúde não libera os procedimentos, não tem como nada ser feito”, diz. Elza foi operada no Hospital Municipal de São Vicente.

A cirurgia para remoção do tumor teratoma da paciente foi uma laparotomia explorada, que resultou em um corte vertical no abdômen da altura dos seios até o fim da barriga. O tumor, que tinha pouco mais de 5 kg e crescia aproximadamente 1 cm por dia, tinha “proporções de um feto de 9 meses”, conforme a equipe médica.

Elza sofria com dores intensas diariamente devido ao tumor gigante — Foto: Arquivo Pessoal

Elza explica que, apesar de a operação ser recente, ela já sente muita diferença no seu dia a dia. “Ainda estou um pouco debilitada, mas consigo fazer praticamente tudo”, relata. Ela diz que o trabalho feito pelo médico deixou menos marcas do que ela imaginava. “Estou um pouco inchada, principalmente na barriga, mas minha vida já mudou muito”.

A paciente ainda reforça a importância das pessoas buscarem atendimento médico ao perceberem sintomas diferentes. “Meu organismo não aguentava mais dor, mas, finalmente, consegui o que precisava. O ideal seria que não tivesse demorado tanto, mas o que não podemos é desistir”, finaliza.

O médico oncologista André Perdicaris explicou ao g1 que o tumor teratoma, sob o ponto de vista histológico, é benigno, mas clinicamente é algo maligno, porque interfere nos órgãos internos da paciente.

“O tumor teratoma é desenvolvido a partir de células embriológicas. Portanto, cria tecidos que seriam utilizados na formação de um embrião. Por isso, é comum crescer cabelo, olhos e dentes nesse tipo de tumor”, explica Perdicaris.

Elza Mar comemora cirurgia de remoção do tumor ao lado do marido — Foto: Arquivo Pessoal

VÍDEOS: g1 em 1 Minuto Santos


Fonte Original

Compartilhar
Mostrar mais
Botão Voltar ao topo
EnglishPortugueseSpanish
Fechar
Fechar