Metalúrgicos protestam em avenida de Santos contra aumento de plano de saúde | Santos e Região

Metalúrgicos aposentados, pensionistas e familiares protestaram em uma avenida de Santos, no litoral de São Paulo, contra a mudança no valor do plano de saúde. A manifestação aconteceu na manhã desta quinta-feira (4) e o trânsito chegou a ficar intenso porque a via foi bloqueada. Segundo os trabalhadores, a mudança representa um aumento significativo com relação ao valor pago atualmente.

O protesto aconteceu no Sindicato dos Siderúrgicos e Metalúrgicos da Baixada Santista, na Avenida Ana Costa, por volta das 10h. Segundo o representante, centenas de pessoas compareceram no local e eles realizaram uma assembleia. Os trabalhadores bloquearam a avenida e, de lá, seguiram em passeata até a Rua Bittencourt, no Centro.

O presidente do Sindicato, Claudinei Rodrigues Gato, explica que a mudança surgiu após uma decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ). Segundo ele, o plano para aposentados seria equivalente ao de funcionários da ativa. Entretanto, ele alega que, com a mudança, o valor cobrado seria abusivo.

Ele diz que o protesto foi com o intuito de chamar a atenção do Ministério Público. Isso porque, segundo ele, o sindicato moveu uma ação em relação ao aumento do plano de saúde. Com isso, eles conseguiram agendar uma conversa com o promotor do caso. “Conseguimos conversar com o assessor do promotor, que vai atender a gente nesta sexta-feira, às 15h. O sindicato está lutando pelo plano de saúde”, disse o presidente.

Os profissionais e aposentados fizeram a passeata com faixas e camisetas, em protesto contra o plano de saúde e a empresa. A avenida chegou a registrar tráfego intenso, mas foi liberada ainda pela manhã.

Metalúrgicos protestam na Avenida Ana Costa em Santos, SP, contra aumento de plano de saúde — Foto: Arquivo Pessoal

O g1 procurou a Usiminas, que não retornou até a última atualização da reportagem. Já a Fundação São Francisco Xavier e a Usisaúde, responsáveis pelo plano, se posicionaram em nota. Confira na íntegra:

“A Fundação São Francisco Xavier e a Usisaúde informam que o encerramento do Plano Cosaúde segue uma autorização do Superior Tribunal de Justiça (STJ), em última instância. Tal medida foi tomada com o objetivo de redesenhar o sistema de saúde, face ao grave desequilíbrio financeiro do Cosaúde, provocado por uma ação na justiça movida pelo Sindicato dos Siderúrgicos e Metalúrgicos em 2012 que impediu a aplicação dos reajustes necessários ao longo dos anos.


Para garantir o atendimento aos participantes do Cosaúde e em cumprimento a decisão judicial foram criadas duas alternativas de produto, Essencial e Saúde Usiminas II. As soluções oferecidas aos aposentados e pensionistas, público majoritário dentro daqueles que serão atingidos pela mudança, foram construídas de forma conjunta, ouvindo todos os envolvidos e as entidades representativas. Diversos benefícios serão ofertados, entre eles, a não cobrança da carência, o subsídio de parte do valor que será reajustado para aqueles que recebem até R$ 3,5 mil mensal pelo INSS, entre outros.


Importante destacar que os procedimentos agendados a partir de 1º/12/2021 não terão cobertura do Cosaúde e os beneficiários terão até o dia 30/11/2021 para realizar as adesões aos novos planos”.

VÍDEOS: as notícias mais vistas do g1


Fonte Original

Compartilhar
Mostrar mais
Botão Voltar ao topo
EnglishPortugueseSpanish
Fechar
Fechar