Manifestantes desmontam acampamentos golpistas nas cidades da Baixada Santista, SP



Ministro do STF determinou que os acampamentos de militantes fossem desocupados. Atos em frente à Fortaleza de Itaipu, em Praia Grande, ao 2º Batalhão de Infantaria Leve, em São Vicente e ao Forte dos Andradas, em Guarujá, foram desmontados. Imagem da Fortaleza de Itaipu, em Praia Grande, registrada nesta terça-feira (10), com o fim da manifestação.
Carlos Abelha
Os manifestantes golpistas pró-Bolsonaro desmontaram os acampamentos na Baixada Santista, nesta terça-feira (10), após a ordem de desocupação expedida pelo ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF). A determinação era para que esses grupos fossem dissolvidos e deixassem as imediações dos Quartéis Generais e outras unidades militares.
As concentrações nas cidades do litoral foram em frente à Fortaleza de Itaipu, em Praia Grande, no 2º Batalhão de Infantaria Leve (2º BIL), em São Vicente e em frente ao Forte dos Andradas, em Guarujá.
Segundo a Polícia Militar, os três locais foram desocupados pelos manifestantes, após a presença de viaturas da polícia. As ações foram realizadas de forma pacífica, sem informações de incidentes.
De acordo com a determinação de Moraes, aqueles que permanecerem acampados poderiam ser presos em flagrante pela prática dos crimes previstos nos artigos 2ª, 3º, 5º e 6º (atos terroristas, inclusive preparatórios) da Lei nº13.260, de 16 de março de 2016.
Ainda podem ser enquadrados nos artigos 288 (associação criminosa), 359-L (abolição violenta do Estado Democrático de Direito) e 359-M (golpe de Estado), 147 (ameaça), 147-A, § 1º, III (perseguição), 286 (incitação ao crime).
Imagem desta terça-feira (10) em frente ao 2º BIL em São Vicente, sem manifestação.
Carlos Abelha
Desmobilização
Em Guarujá, o setor de operações e estatísticas da Polícia Militar informou que os manifestantes em frente ao Forte dos Andradas, foram orientados a deixar o local. Por volta das 3h na manhã desta terça-feira (10), cerca de 15 pessoas iniciaram a retirada das barracas e finalizaram o ato pró-Bolsonaro.
De acordo com o 2º Batalhão de Infantaria Leve de São Vicente (BIL), cerca de 30 manifestantes iniciaram a desmontagem das barracas que estavam em frente ao quartel na noite de segunda-feira (9). O movimento foi finalizado às 20h. A Secretaria de Mobilidade Urbana (Semob) informou que os manifestantes não interferiram no trânsito da Avenida Antônio Emmerich, no bairro Jardim Guassú.
Na Fortaleza de Itaipu, em Praia Grande, a PM disse que agentes fizeram uma operação junto aos mais de 20 manifestantes, orientando sobre a ordem de retirada dos acampamentos do local, ainda na noite de segunda-feira (9). O grupo acatou a determinação e deixou o local de forma pacífica.
Jornalista ameaçado
O repórter fotográfico Matheus Tagé, do Grupo Tribuna, foi ameaçado por três golpistas apoiadores do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) ao fotografar um ‘desmanche de acampamento’ em frente à Fortaleza de Itaipu. Um dos homens estava com uma faca enquanto intimidava o profissional .
Ao g1, ele contou, nesta terça-feira (10), detalhes sobre o ocorrido, que o fez sentir indignação por ter sido impedido de trabalhar. Ninguém se feriu.
Jornalista é ameaçado com faca por golpista pró-Bolsonaro em Praia Grande (SP)
Matheus Tagé/A Tribuna Jornal
VÍDEOS: g1 em 1 Minuto Santos


Fonte Original

Compartilhar
Mostrar mais
Botão Voltar ao topo
EnglishPortugueseSpanish
Fechar
Fechar