Jovem descobre gravidez ao entrar em trabalho de parto e tem o filho em casa no litoral de SP | Santos e Região

Uma jovem de 18 anos teve uma surpresa inusitada na madrugada desta terça-feira (9), em Praia Grande, no litoral de São Paulo. Ela sentiu fortes cólicas em casa, e descobriu naquela hora que estava grávida, já em trabalho de parto, e teve o bebê na própria residência. O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) foi acionado, mas o menino já havia nascido. Mãe e filho foram levados para um hospital e, segundo informações da família, passam bem.

As dores que a jovem sentiu eram, na verdade, contrações. Apesar de toda a situação inesperada, o bebê nasceu de forma natural, e o parto correu bem. Após o nascimento, a família comemorou a chegada do menino nas redes sociais, e informou que, como ele chegou de surpresa, precisa de doações de roupas, fraldas e utensílios de bebê, já que não tinham nada preparado para sua vinda.

Segundo uma familiar, que não quis se identificar, algum tempo antes, a jovem havia ido a um pronto-socorro, achando que era apenas uma forte dor de cólica, e relatando isso aos médicos. Por isso, tomou uma injeção e retornou para casa. Mas, na madrugada desta terça, as dores voltaram mais fortes, e na própria residência ela descobriu que estava grávida, e que o bebê já iria nascer, fazendo o próprio parto, de acordo com a familiar.

Conforme apurado pelo g1 com a família, ainda não se sabe de quanto tempo o bebê nasceu, já que não houve pré-natal. A mãe e o bebê seguem no hospital, ainda sem previsão de alta, mas ambos estão bem.

A equipe do Samu divulgou que vivenciou uma experiência diferente no atendimento a essa ocorrência. Tudo começou quando os socorristas da Unidade de Suporte Básico (USB) 25 receberam um chamado para atender a uma jovem que estaria em trabalho de parto no bairro Samambaia.

Chegando ao local, a técnica em enfermagem Ketlen Araújo de Lima Santos e o condutor Ezequias de Oliveira encontraram a mãe deitada na cama já com o menino recém-nascido ao lado, ainda unidos pelo cordão umbilical.

Segundo o Samu, a mãe relatou à equipe que não sabia que estava grávida, que havia sentido dores abdominais, pretendia ir ao hospital, mas não deu tempo. A enfermeira se paramentou, avaliou o bebê, cortou o cordão umbilical e o aqueceu.

A enfermeira Ketlen destacou a alegria de vivenciar essa experiência, em meio à sua rotina de trabalho. “É indescritível a sensação, uma mistura de emoção e felicidade poder participar desse momento lindo e mágico da família, ainda mais que, na nossa profissão, estamos habituados a ver mais a dor e a perda de pacientes e a tristeza de familiares”, diz ela em nota divulgada pela prefeitura.

Quando a equipe se preparava para levar a mãe e a criança ao hospital, a Unidade de Saúde Avançada (USA) 80, composta pelo médico Hicham Ali Hammoud, pela enfermeira Celina Assis dos Santos e pelo condutor Alessandro Ferraresi Geraldini, chegou para dar continuidade ao atendimento e encaminhar mãe e filho ao Complexo Hospitalar Irmã Dulce, onde ambos passam bem.

O g1 já havia entrevistado mulheres que descobriram que estavam grávidas minutos antes do parto. Sobre esses casos, a obstetra Mariana Paiva de Castro Sodré explicou que a gestação silenciosa pode acontecer, mas são raros os casos e pouco estudados pela medicina. “Há pouquíssimos artigos em termos de literatura e pesquisa”, relatou.

Sobre o não crescimento da barriga, Mariana explicou que, em alguns casos, o feto pode ter restrição de crescimento intrauterino. Com isso, fica mais difícil perceber um aumento abdominal, o que faz com que os sintomas sejam negligenciados. “Eu já tive uma paciente que só descobriu no sétimo mês. Ela já havia passado até por endoscopias, devido aos muitos enjoos”, disse a médica.

Mariana explicou, também, que esses casos devem ser avaliados individualmente. “Os riscos envolvem o fato de a gravidez não ser acompanhada, principalmente no pré-natal, que é fundamental para a redução da mortalidade materna e fetal”, acrescentou.

Outro risco destacado pela obstetra é a exposição a situações às quais uma gestante não deveria se submeter, como suplementação inadequada. Em outros casos, as mulheres, sem saber que estão grávidas, acabam passando pelo parto na própria residência, sem apoio de uma equipe médica, como ocorreu com a jovem de Praia Grande.

VÍDEOS: As notícias mais vistas do g1


Fonte Original

Compartilhar
Mostrar mais
Botão Voltar ao topo
EnglishPortugueseSpanish
Fechar
Fechar