Grupo é preso por esquema de desvio e venda de combustível roubado que rendia mais de R$ 1 milhão por ano no litoral de SP | Santos e Região

Três homens e uma mulher foram presos, na manhã deste sábado (6), por participarem de um esquema que desviava e fornecia combustível roubado em Santos, no litoral de São Paulo. Segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF), os criminosos vendiam o combustível pela metade do preço para outros criminosos. Um deles participava de um outro grupo que ameaçava caminhoneiros que não aderiram à greve no Porto de Santos.

A prisão ocorreu por meio de uma atuação conjunta entre a PRF e a Polícia Militar (PM). De acordo com a Polícia Rodoviária, o grupo desviava cerca de 80 litros por caminhão, sendo 20 caminhões por dia. Cada litro de combustível era vendido pela metade do preço, aproximadamente, a R$ 3. O esquema de desvio e venda já acontecia antes do início da greve.

O motorista do caminhão, que transportava combustível, furtava e vendia parte da carga para criminosos. Um dos quatro envolvidos no esquema também fazia parte de um grupo que articulava atos de vandalismo contra caminhoneiros que não aderiram à paralisação.

O grupo, que realizava atos de vandalismo, utilizava o combustível roubado para, segundo a Polícia, abastecer motocicletas e ameaçar os caminhoneiros que não quisessem aderir ao movimento. Eles também jogavam pedras e incendiavam os veículos, além de agredir os motoristas que proseguissem o caminho pela rodovia, entre outras ações.

Um dos envolvidos no esquema também fazia parte de um grupo que organizava atos criminosos contra caminhoneiros que não aderiram a greve dos caminhoneiros autônomos, em Santos, SP — Foto: Divulgação/Polícia Rodoviária Federal

A investigação da PRF em conjunto com a PM apontou que as pessoas presas tinham um lucro de R$ 1,7 milhão por ano com a venda do combustível. O dinheiro era utilizado para alimentar o crime organizado na Baixada Santista.

Além dos três homens e uma mulher que foram presos, outras duas pessoas são investigadas por envolvimento no esquema. O grupo foi encaminhado à delegacia da Polícia Federal em Santos e os agentes seguem investigando outros núcleos criminosos que possam estar atuando em conjunto com esse.

Combustível era desviado e revendido pela metade do preço, em Santos, SP — Foto: Divulgação/Polícia Rodoviária Federal

Na última quinta-feira (4), um efetivo de 200 policiais rodoviários federais foi enviado ao Porto de Santos para garantir a fluidez do transporte de cargas nas áreas portuárias.

Segundo a PRF, a manifestação da categoria é pacífica e o empenho da equipe é para que continue desta forma. Porém, a presença dos policiais tem como objetivo fortalecer a segurança para que os caminhoneiros possam fazer o seu trabalho de carga e descarga com tranquilidade.

O órgão esclarece que o Porto de Santos estava correndo o risco de sofrer um colapso, não por conta da greve, mas devido ao fato de os caminhoneiros que faziam a logística do local estarem com medo de terem seus caminhões depredados caso não aderissem ao ato.

VÍDEOS: g1 em 1 Minuto Santos


Fonte Original

Compartilhar
Mostrar mais
Botão Voltar ao topo
EnglishPortugueseSpanish
Fechar
Fechar