Charles do Bronx lamenta morte de amigo campeão mundial de jiu-jitsu: ‘chorei muito’ | Santos e Região

O lutador de MMA Charles do Bronx lamentou a morte de Thaynã Higor, tricampeão mundial pela Confederação Brasileira Paradesportiva de Jiu-Jitsu (CBPJJ). Ao g1, o lutador que está nos Emirados Árabes para o UFC 280, contou ao g1 que era amigo de Thaynã, morto a tiros na frente de um restaurante em Praia Grande, no litoral de São Paulo.

Segundo Charles do Bronx, ambos se conheceram em Guarujá, também no litoral paulista, onde moravam e chegaram a treinar artes marciais juntos. “Convivemos por um bom tempo e sempre nos falávamos. Ele torcia e acreditava em mim. Quando nos víamos, nos abraçávamos e brincávamos. Tínhamos um respeito gigantesco um pelo outro”. O lutador ainda desabafou sobre o sentimento após a notícia.

Estou em Abu Dhabi, e fiquei sabendo da notícia de madrugada. Chorei muito. Fiquei muito triste. Me abalou bastante, ainda mais da forma que foi. O Thaynã vai deixar muita saudade.

— Charles do Bronx, lutador de MMA

Thaynã Higor já lutou em Abu Dhabi, onde Charles do Bronx encara próximo desafio no UFC — Foto: Reprodução/Redes Sociais

De Guarujá para Abu Dhabi

Charles do Bronx vai enfrentar Islam Makhachev na principal luta do card de Abu Dhabi, no próximo dia 22 de outubro. O astro do UFC também fez questão de ressaltar a conquista do amigo no mesmo local. Em 2018, Thaynã sagrou-se bicampeão do Abu Dhabi World Festival ParaJiu Jitsu.

Ele veio para Abu Dhabi e ganhou. Mostrou o seu talento. O Thaynã sempre acreditou no sonho dele e correu atrás.

— Charles do Bronx, lutador de MMA.

O g1 também conversou com a irmã de Thaynã, Ariany Batista, que falou sobre a experiência vitoriosa do jovem nos Emirados Árabes. “Ele só dava orgulho para a gente. Começou no jiu-jitsu junto com o Charles do Bronx e pegou tanto gosto pela coisa que foi campeão mundial em Abu Dhabi. Tudo isso na base da luta e da ajuda de amigos, pois não tínhamos condições de custear as viagens”.

A Prefeitura de Guarujá decretou luto oficial de três dias em razão do falecimento do paratleta guarujaense, que era morador do bairro Pae Cará, em Vicente de Carvalho.

Thaynã Higor estava aguardando um transporte quando foi abordado pelo criminoso, por volta das 23h, em frente ao restaurante Katsuya, localizado na avenida Marechal Mallet. Uma câmera de segurança registrou o momento em que o homem atira contra o paratleta, que morreu no local (veja o vídeo abaixo).

Depois, o atirador entrou no estabelecimento e atirou contra Walter Ramos Filho. Em seguida, o homem fugiu. Ele foi perseguido por moradores, entrou em uma pizzaria e fez reféns, mas acabou sendo preso.

De acordo com a Secretaria de Segurança Pública de Praia Grande, Walter chegou a ser atendido pelo Serviço de Atendimento de Emergência (Samu) e encaminhado em estado grave para o Hospital Municipal Irmã Dulce. Ele não resistiu aos ferimentos e morreu nesta quinta-feira.

Homem mata duas pessoas à queima roupa em restaurante e tenta fugir em Praia Grande, SP

Homem mata duas pessoas à queima roupa em restaurante e tenta fugir em Praia Grande, SP

Maurício Souza Alves, de 35 anos, teve a prisão preventiva decretada nesta quinta-feira (13) e foi encaminhado ao Centro de Detenção Provisória (CDP) de Praia Grande. O atirador estava foragido desde março deste ano, quando recebeu o benefício de saída temporária e não retornou ao presídio.

Segundo a polícia, antes dos disparos, Maurício estava em um bar localizado ao lado do restaurante japonês. No primeiro local, ele teve a entrada barrada por seguranças por conta do estado “alterado”, com sinais de embriaguez. O homem, segundo testemunhas, deixou o estabelecimento contrariado e, na volta, confundiu os ambientes e as vítimas.

Thaynã tinha uma lesão no plexo braquial, que limitava os movimentos e a desenvoltura muscular do braço esquerdo, por conta de um erro médico durante o seu parto. A limitação, porém, foi superada pelo talento e a força de vontade do lutador, que sonhava com o crescimento da modalidade.

O atleta começou a treinar jiu-jitsu em 2010. Mesmo com a oficialização de alguns torneios para pessoas com deficiência, ele não deixou de lutar em torneios convencionais, para pessoas sem deficiência.

Thayná conquistou o bicampeonato mundial em Abu Dhabi, em abril de 2018 — Foto: Arquivo Pessoal

Os campeonatos para a categoria dele no Brasil começaram em 2014. Ele foi tricampeão brasileiro e mundial nos campeonatos organizados pela Confederação Brasileira Paradesportiva de Jiu-Jitsu (CBPJJ). Em 2018, ele sagrou-se bicampeão do Abu Dhabi World Festival ParaJiu Jitsu, em Abu Dhabi, nos Emirados Árabes Unidos.

Na época, ele concedeu entrevista ao ge.globo e falou dessa conquista. “Foi gratificante demais, pois batalhei muito com os meus professores e amigos de treino”

“Foi uma rotina pesada de jiu-jitsu e funcional com minha preparadora física. Fora a correria, com familiares e amigos, para conseguir patrocinadores para custear as despesas da viagem. Mas tudo foi recompensado com o pódio, tirei um peso das costas e fiquei com aquele sentimento maravilhoso de dever cumprido. Todo esforço valeu a pena”, disse ao ge.

Thaynã Higor foi um dos destaques em Abu Dhabi — Foto: Arquivo Pessoal

VÍDEOS: g1 em 1 Minuto Santos


Fonte Original

Compartilhar
Mostrar mais
Botão Voltar ao topo
EnglishPortugueseSpanish
Fechar
Fechar