Cantor sertanejo é preso em operação da PF contra fraudes na compra de respiradores para o tratamento da Covid-19 | Santos e Região

A Polícia Federal (PF) de Santos, no litoral de São Paulo, prendeu na manhã desta quarta-feira (31), o empresário e cantor sertanejo Almir Mattias, investigado por fraudar compras de respiradores para o tratamento da Covid-19 em Guarujá, no litoral de São Paulo. Uma parte da fortuna desviada, segundo a PF, foi para tentar impulsionar a carreira musical de empresário.

A prisão foi realizada pela Operação Ar Puro, que investiga a aquisição de respiradores fraudados com dinheiro da União. De acordo com a PF, os equipamentos fraudados eram proibidos pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), por ter não serem eficientes no tratamento da doença respiratória causada pelo coronavírus.

Nesta quarta-feira, os policiais cumpriram mandados de busca e apreensão e prisão na cidade de São Paulo. A Polícia Federal confirmou que Matias foi preso. Ele foi indiciado por vários crimes, entre eles corrupção ativa, organização criminosa e lavagem de dinheiro.

A PF não divulgou quem são os outros alvos da operação. Se condenados, os investigados devem cumprir penas que variam de 11 a 18 anos de reclusão e multa.

PF de Santos prende Almir Matias em operação contra fraudes na compra de respiradores para Covid-19 — Foto: Arquivo pessoal

Almir Matias é suspeito de envolvimento em um esquema de corrupção teria desviado 70% do valor que recebeu para gerenciar os serviços públicos da saúde da Prefeitura do Guarujá. Entre os R$ 153 milhões pagos para investir na área, ele ficou com R$ 109 milhões.

Uma parte da fortuna desviada, segundo a PF, foi para tentar impulsionar a carreira musical dele. Almir Matias se diz um cantor profissional, tem até fã-clube nas redes sociais. Ele produziu videoclipe e fez shows. Outra parte do dinhero teria ido para empresas ligadas ao cantor. Teve até salão de beleza que ganhou R$ 12 milhões em plena pandemia.

PF de Santos prende Almir Matias em operação contra fraudes na compra de respiradores para Covid-19 — Foto: Divulgação/Polícia Federal

Em entrevista ao Fantástico, o prefeito negou ter proximidade com Almir Matias, porém, há registros de mensagens trocadas com a primeira-dama, Edna Suman, pedindo para ela buscar R$ 50 mil com o Almir. Segundo as investigações, essa ação é propina. O prefeito Valter Suman chegou a ser preso. Atualmente, ele responde em liberdade.

PF prende Almir Mattias em operação contra fraudes na compra de respiradores para o tratamento da Covid-19 — Foto: Arquivo pessoal

Segundo a PF, Matias é empresário, dono e controlador de entidades que se qualificam como Organizações Sociais. Uma delas foi contratada para gerenciar o atendimento nas principais unidades de saúde de Guarujá entre os anos de 2018 a 2021.

As OS’s firmavam contrato de gestão com as prefeituras para atuarem na administração da Saúde, realizam contratações públicas de modo simplificado e acabam firmando contratações superfaturadas. Os recursos por serviços não prestados são repassados para empresas fantasmas.

De acordo com a Polícia, Cleide Rosa da Silva, esposa de Almir, é coparticipe em na organização criminosa, sendo a pessoa que controla a movimentação bancária da empresa por onde foi desviada verba pública e é feita a lavagem de dinheiro.

O g1 não conseguiu localizar, até a publicação desta reportagem, o advogado de Almir Matias.

PF de Santos prende Almir Matias em operação contra fraudes na compra de respiradores para Covid-19 — Foto: Arquivo pessoal

VÍDEOS: g1 em 1 Minuto Santos


Fonte Original

Compartilhar
Mostrar mais
Botão Voltar ao topo
EnglishPortugueseSpanish
Fechar
Fechar